Share it

quarta-feira, Abril 09, 2014

É bom ter heróis...

Estes são alguns dos meus heróis...

Ilustres cientistas: gigantes da paleontologia e da evolução.

Desafio: ofereço um livro autografado a quem primeiro me indicar o nome destes ilustres cientistas da evolução e da paleontologia aqui representados. Octávio Mateus, 9.4.2014

terça-feira, Abril 08, 2014

Os factores físicos que influenciam a evolução dos mosassauros

Apresentamos novos estudo liderado por Michael Polcyn (SMU) sobre a influência de vários factores físicos na evolução dos mosassauros.

Resumo:
Mosassauros são lagartos marinhos com uma história de 32,5 milhões anos desde a sua aparição aos 98 Ma até à sua extinção na fronteira K- Pg (65,5 Ma). Usando uma base de dados de 43 géneros e  94 espécies, comparamos a diversidade e os padrões de disparidade morfológica na mosassauros com o nível do mar, a temperatura da superfície do mar, e as curvas de isótopos de carbono estáveis ​​para o Cretácico Superior para explorar os factores que podem ter influenciado a sua evolução. Não existe nenhum factor único inequivocamente responsável por todas as radiações, diversificação e extinção; no entanto, os padrões mais amplos de diversificação taxonómica e a disparidade morfológica apontam para uma diferenciação de nicho, com cenários "fishing up" sob a influência de pressões seletivas de base ("bottom-up"). A força mais provável na evolução dos mosassauros foi elevada produtividade no Cretácico Superior , impulsionada pelo nível do mar controlado tectonicamente e estratificação oceânica climaticamente controlada e a disponibilidade de nutrientes. Os mosassauros extinguem-se quando a produtividade colapsa no final do Cretácico, coincidindo com impacto do meteorito.

Evolução dos mosassauros (Polcyn et al., 2014).
Abstract:
Zonas de upwelling ao longo do tempo (Polcyn et al 2014)
Mosasaurs are marine squamates with a 32.5 million-year history from their appearance at 98 Ma to their extinction at the K–Pg boundary (65.5 Ma). Using a database of 43 generic and 94 species-level taxa, we compare the taxonomic diversity and patterns of morphological disparity in mosasaurs with sea level, sea surface temperature, and stable carbon isotope curves for the Upper Cretaceous to explore factors that may have influenced their evolution. No single factor unambiguously accounts for all radiations, diversification, and extinctions; however, the broader patterns of taxonomic diversification and morphological disparity point to niche differentiation in a “fishing up” scenario under the influence of “bottom-up” selective pressures. The most likely driving force in mosasaur evolution was high productivity in the Late Cretaceous, driven by tectonically controlled sea levels and climatically controlled ocean stratification and nutrient delivery. When productivity collapsed at the end of the Cretaceous, coincident with bolide impact, mosasaurs became extinct.

Referência:
Polcyn, M. J., Jacobs, L. L., Araújo, R., Schulp, A. S., & Mateus, O. (2013). Physical drivers of mosasaur evolution. Palaeogeogr Palaeoclim Palaeoecol.
LINK PDF
LINK site

sábado, Março 15, 2014

Dinossauros colocam Lourinhã na BBC

Os dinossauros colocam Lourinhã na BBC com o artigo "The Portuguese town where dinosaurs once roamed" assinado pela jornalista da BBC em Lisboa, Alison Roberts, que aqui replicamos:


The Portuguese town where dinosaurs once roamed


Octavio MateusPalaeontologist Octavio Mateus shows a tooth belonging to the newly identified predator

The recent identification in Portugal of what scientists believe to be the largest predator ever to roam the European landmass is just the latest boost for a small town that has become known as "land of the dinosaurs".
It is also the latest chapter in the fairytale story of a local boy who made his first big discovery at the age of nine - of a huge tooth from this same dinosaur - and who today leads the research project whose findings have been making headlines worldwide.
In a laboratory piled high with fossils, Octavio Mateus holds up a tooth the size of a dagger from the newly identified species - just like the one he found as an excited child.
"With this blade-like tooth you can clearly see the serration - this was a fierce predator," he explains. "Compare it with Tyrannosaurus rex, which has teeth like bananas - they are very round in cross-section, adapted to crush through bone - while these were to cut through flesh.

Start Quote

What the museum gives to Lourinha is not only the fossils but their identity: People see in dinosaurs part of themselves”
Octavio MateusPalaeontologist
"This shows different feeding strategies in the evolution of these animals, although they are superficially similar."
Now 38, Octavio is a professor at Lisbon's Universidade Nova (New University), where he teaches the country's first-ever degree in palaeontology.
But he still spends plenty of time here at the museum in Lourinha, 50km (30 miles) north of the capital, that his parents helped found 30 years ago to house rich local ethnographical and archaeological finds.
Jurassic trove
Ironically, the paleontological section was something of an afterthought. Today, hugely expanded, it is the big draw that brings some 25,000 visitors a year to a town with a population of just 7,000.
The truth is that Lourinha has just two claims to fame. The area is one of only three officially recognised producers of brandy (the others being the more famous Cognac and Armagnac, both in France), and its rocks are, thanks to their geology and accessibility - above all in cliffs along the Atlantic coast - a treasure trove of Jurassic-era fossils.
Dinosaur roundabout in LourinhaLourinha proudly lives up to its claim of being the "land of the dinosaurs"
Bakery in Lourinha...with many shops using cartoons of the prehistoric creatures in their logos
Bakery in LourinhaThis bakery even displays a massive fossilised leg bone next to its delicious pastries
As the finds have multiplied and the museum's displays grown, locals have taken ever more pride in their unique heritage.
Lourinha businesses often have the word "dino" in their name, and many logos feature a cartoon version of one of the extinct beasts. In one cafe, a massive fossilised leg bone stands, like a pillar, next to the pastry counter.
Welcome signs at the town entrance inevitably feature a rampant dinosaur, and one roundabout is dominated by large metal silhouettes of three of the beasts. Dinosaur-themed souvenirs abound.
All the fuss is justified. The museum - housed in the old town courthouse - boasts a collection of dinosaur fossils from the Upper Jurassic that is the largest in Iberia and among the most important in the world.
Lou-Octavia Morch, an art student from France who is torn between specialising in archaeological and paleontological drawing, says Lourinha is ideal for either. This is thanks to remains from a necropolis nearby and other ancient sites, as well as the famous fossils.
"It's inspiring for both," she says as she sketches a human skull, as part of her two-month spell at the museum. "It's amazing, full of lots of things to study here. I could stay years."
Dinosaur-related items on display range from complete skeletons to a fossilised nest with dozens of eggs, crushed but still in place, with hundreds of pieces of shell visible as well as the remains of two embryos.
The nest was just one of the many breathtaking finds made by the Mateus family during outings that, for Octavio, began when he was little more than a toddler.
"I was virtually born in a dinosaur's nest," he jokes.
If you want to get children interested in science, it is hard to think of a better way than for them to dig up a dinosaur.
Few can boast of having dug up several - and of going on to identify whole new species.
Family affair
One of the dinosaurs to be found in the museum is the predatorLourinhanosaurus, identified as a new species by Octavio himself while he was still a biology undergraduate.
"This species received the name of the town, which for us is a bit iconic," he stresses.
Simao MateusOctavio Mateus's brother, Simao, organises guided tours in the museum
In the course of his research career, Octavio has not only continued to make major finds in Portugal, but discovered both Angola's and Bulgaria's first dinosaurs.
His latest field trip was to Greenland, as part a team that discovered fossils from two phytosaurs - large reptiles that are similar to crocodiles but from the Triassic era, 200 million years ago.
But the Lourinha museum, in whose lab he spends hours preparing local fossils, is clearly a special place for him.
In its palaeontology section hangs a giant fossilised skull from the dinosaur that - as a result of the study published by Mateus and his collaborator in Lisbon, Christophe Hendrickx - has now been given the name Torvosaurs gurneyi.
Size comparisonThis diagram gives some sense of how big the Torvosaurs gurneyi would have been
That distinguishes it from Torvosaurus tanneri, whose remains are found in rocks of a similar age in North America, known as the Morrison formation.


Both of these theropods - two-legged carnivores - roamed the Earth some 150 million years ago (80 million before T-rex) but, according to the new analysis, had evolved into separate species after the last land bridges between Europe and America disappeared.
Palaeontology in Lourinha remains something of a family affair. Octavio's father Horacio - the driving force in founding the museum - passed away last year, but his brother Simao brims with enthusiasm in guiding visitors around the displays. He recently completed a master's in museology and his sister Marta has also done stints as a volunteer.
Upper-jaw partThe upper-jaw bone, or maxilla, has enabled the scientists to put the dinosaur in context
Simao, who also writes and illustrates children's books about dinosaurs, provided sketches for Octavio's latest research paper.
For the town, these long-extinct beasts have brought fame and a strong sense of community.
"What the museum gives to Lourinha is not only the fossils but their identity," says Octavio. "People see in dinosaurs part of themselves."
The museum is a community venture, with everyone from the director to the secretary working for free, making it largely self-financing. The town council provides one fifth of its budget - clearly a good investment.
"It wouldn't be possible in any other way to have the name of this municipality spread as it is," points out Octavio. "The brandy is considered one of the best in the world, but dinosaurs have a very large impact."



Alison RobertsLou-Octavia Morch says the research is 'amazing'

Related Stories

quinta-feira, Março 13, 2014

Próximas palestras Março e Abril 2014




Este Março e Abril temos três palestras em cidades bem distantes do país:

28 de Março, Sexta-feira, 21:30: Bragança
No Centro Ciência Viva de Bragança: palestra "Um dinossauro e um pastel de nata, por favor!" enquadrada nas conversas Café de Ciência.
3 de Abril, Quinta-feira, 10:00: Évora
Escola Secundária Gabriel Pereira, de Évora

13 de Abril, Domingo, 15:30: Faro
Enquadrado no XVII Encontro Nacional de Estudantes de Biologia (ENEB) a decorrer entre 11 a 15 de Abril de 2014: "Paleobiologia dos dinossauros, com destaque para os exemplos portugueses".

Estas palestras serão proferidas pelo Prof. Octávio Mateus (FCT-UNL)

quarta-feira, Março 05, 2014

Nova espécie de dinossauro encontrado em Portugal é o maior predador terrestre da Europa



Uma nova espécie de dinossauro descoberta em Portugal é o maior dinossauro carnívoro do Jurássico e o maior predador terrestre descoberto na Europa. O estudo foi anunciado por paleontólogos da FCT-Universidade Nova de Lisboa e Museu da Lourinhã. Torvosaurus gurneyi, um primo distante do Tyrannosaurus rex, estava no auge da cadeia alimentar na Península Ibérica 150 milhões de anos.


Material pertencente a este dinossauro foi descoberto 70 km ao norte de Lisboa e pensado para ser Torvosaurus tanneri, uma espécie da América do Norte. Primeiro foi encontrado um osso da perna, posteriormente, noutro local, um maxilar superior, dentes, e uma vértebra da cauda por um amador e doado ao Museu da Lourinhã. O dinossauro foi estimado atingir 10 metros de comprimento e peso de 4 a 5 toneladas. "Este não é o maior dinossauro predador pois o Tyrannosaurus , Carcharodontosaurus e Giganotosaurus do Cretácico eram maiore" disse Christophe Hendrickx da Universidade Nova de Lisboa e Museu da Lourinhã e primeiro autor do estudo. "Com um crânio de 115 cm, Torvosaurus gurneyi foi, porém, o maior carnívoro terrestre nesta época, o Jurássico, e um predador ativo que caçavam outros grandes dinossauros como evidenciado pelos dentes forma de lâmina até 10 cm".
O novo dinossauro é a segunda espécie de Torvosaurus a ser conhecida e é o equivalente europeu de Torvosaurus tanneri da América do Norte. Ambas as espécies foram descobertos em rochas da mesma idade geológica e viviam em ambientes semelhantes dominados por dinossauros. "A fauna do que é hoje Portugal foi extremamente diversificada no final do Jurássico", disse Octávio Mateus , da Universidade Nova de Lisboa e Museu da Lourinhã , e co -autor do estudo . "Esta nova espécie de dinossauro carnívoro vem aumentar um pouco mais a diversidade de dinossauros de Portugal. E mostra que estava em prática um mecanismo de especiação que ocorreu durante o Jurássico, quando o Atlântico já estava bem formado e a Europa era um arquipélago" adianta Mateus.
O nome gurneyi homenageia os ilustradores de dinossauro, nomeadamente o artista James Gurney, criador e ilustrador da série de livros Dinotopia que fascinou Hendrickx : "Sempre admirei a reconstrução deste mundo utópico , onde dinossauros e humanos vivem juntos, ele também é um excelente artista e pedagogo".
Torvosaurus by Scott Hartman
Torvosaurus gurneyi pertence aos terópodes, um grupo de dinossauros bípedes que deram origem às aves. Embriões de dinossauros descritos recentemente de Portugal também são atribuídas às novas espécies de Torvosaurus.
A descrição detalhada, em que a espécie recebe o seu nome científico, foi publicada na revista PLoS ONE.


Torvosaurus gurneyi (arte por Sergey Krasovskiy http://atrox1.deviantart.com/gallery)



Hendrickx, C., Mateus, O. 2014 Torvosaurus gurneyi n. sp., the largest terrestrial predator from Europe, and a proposed terminology of the maxilla anatomy in nonavian theropods. PLOS One.
http://dx.plos.org/10.1371/journal.pone.0088905

sábado, Março 01, 2014

Sobre o foraminífero Anchispirocyclina lusitanica

 Anchispirocyclina lusitanica (Egger 1902)

A cronologia e estratigrafia do Jurássico superior continental em Portugal é difícil de estudar devido à falta de bons fósseis de idade, indicadores de uma idade que possa ser correlacionada com outras áreas. Um boa excepção, contudo, é um foraminífero chamado Anchispirocyclina lusitanica (Egger, 1902).
Anchispirocyclina lusitanica com indicações originais manuscritas por Paul Choffat (Maync, 1959)

A sua distribuição alargada que inclui a península arabica, Turquia, Norte de África, Balcãs, Suíça, França, Espanha, Cuba, Estados Unidos, Cabo Verde, e Portugal torna esta espécie especialmente útil para correlações ultra-regionais sendo que cronologicamente encontra-se restrita à transição Jurássico-Cretácico (Kimmeridgiano Superior ao Berriasiano), e mais concretamente em Portugal é restrita ao Titoniano Superior a Berriasiano Inferior.

A forma é discoide a reniforme do tamanho de uma moeda de um cêntimo a 5 cêntimos, o que é assinalável para um ser unicelular.
Pode ser encontrada em rochas da transição Jurássico-Cretácico, nomeadamente no Cabo Espichel, e é um excelente indicados que marca o topo da Formação da Lourinhã (Mateus et al., in press).

Este ser unicelular, previamente dentro género Dicyclina e Iberina, estabilizou dentro de Anchispirocyclina. Em Portugal, esta espécie foi estudada por Paul Choffat, Miguel Ramalho (1969), entre outros.

Referências:
Egger, J. G. (1902). Der Bau der Orbitolinen und verwandter Formen. Abhandlungen der mathematischphysikalischen Classe der königlich Bayerischen Akademie der Wissenschaften, 21(3), 577-600.

Ramalho, M. M. (1969). Quelques observations sur les Lituolidae (Foraminifera) du Malm portugais. Bol. Soc. geol. Portugal, 17, 37-50.

Maync, W. (1959). The foraminiferal genera Spirocyclina and Iberina. Micropaleontology, 5(1), 33-68.

Mateus, O, Dinis J, Cunha PP.  In Press.  Upper Jurassic to Lowermost Cretaceous of the Lusitanian Basin, Portugal - landscapes where dinosaurs walked. Ciências da Terra. special no. VIII

sexta-feira, Fevereiro 28, 2014

Como são os ovos de crocodilos?


Para compreender os fósseis temos frequentemente que recorrer às espécies actuais. Mas se quisermos estudar crocodilos tudo fica mais fácil pois existem 14 espécies actuais. Nos dinossauros não-avianos isso é impossível e usamos os seus "primos", os crocodilos, e os descendentes actuais, as aves. A verdade é que por vezes as espécies actuais também precisam de ser estudadas e isso levou-nos ao estudos de ovos de três espécies de crocodilianos: Crocodylus mindorensis (Crocodilo-filipino), Paleosuchus palpebrosus (Caimão-anão-de-Cuvier), e Alligator mississipiensis (Aligátor-americano). Os resultados foram agora publicados na Historical Biology com Marco Marzola e João Russo.

Crocodylus mindorensis. Fonte: wikipedia

Evolução dos ovos (Marzola et al., 2014)

Referência:
Marzola, M., Russo J., & Mateus O. (2014). Identification and comparison of modern and fossil crocodilian eggs and eggshell structures. Historical Biology link

Tradução do resumo:

Identificação e comparação de ovos e estruturas da casca de ovos de crocodilos modernos e fósseis

Cascas de ovos de três espécies de crocodilos actuais Crocodylus mindorensis (Crocodilo-filipino), Paleosuchus palpebrosus (Caimão-anão-de-Cuvier), e Alligator mississipiensis (Aligátor-americano) foram preparadas para análises de secção em lâmina delgada e microscopia electrónica e são descritas de forma a melhorar o conhecimento da anatomia e microestrutura de ovos crocodilianos, e a definir novas apomorfias que possam ser utilizadas para identificação. Tanto ovos de crocodilos actuais como fósseis apresentam uma ornamentação externa que varia entre o tipo anastomotuberculado, ramotuberculado, ou o aqui descrito pela primeira vez, rugosocavado. O sistema de poros do tipo angusticaniculado é uma característica partilhada entre cascas de ovos de Crocodilomorfos e alguns grupos de dinossauros e aves. Sinais de incubação de ovos de crocodilos anteriormente descritos foram também observados no único ovo fertilizado e eclodido. A amostra de Paleosuchus palpebrosus apresenta uma morfologia das três camadas da casca e organização únicas, com uma camada média relativamente fina caracterizada por uma microestrutura densa e compacta.

terça-feira, Fevereiro 25, 2014

Pegada gigante de dinossauro carnívoro

Durante o Jurássico Superior, há cerca de 150 milhões de anos, existiam dinossauros carnívoros gigantescos, o que é visível pelos ossos e por pegadas. Na costa da Lourinhã foi recolhida uma pegada com 96 cm de comprimento total, o que é quase da dimensão da pegadas equivalentes conhecidas de Tyranossaurus, mas neste caso devem ter sido feitas por Torvosaurus, pois este era o maior terópode do Jurássico.


Pegada de Torvosaurus, em exposição no Museu da Lourinhã




Ref: Mateus, O., & Milan J. (2010).  A diverse Upper Jurassic dinosaur ichnofauna from central-west Portugal. Lethaia. 43, 245–257. link

sábado, Fevereiro 15, 2014

Novo doutorado sobre dinossauros saurópodes: Emanuel Tschopp

Temos mais um Doutoramento em Portugal sobre dinossauros, desta vez pelo Emanuel Tschopp, de nacionalidade suíça e até agora a estudar na FCT-UNL para o doutoramento.
Decorreram ontem (14.Fev.2014) as provas de Doutoramento em Geologia com a dissertação: "Evolution of Diplodocid Sauropod Dinosaurs with Emphasis on Specimens from Howe Ranch, Wyoming (USA)". O candidato apresentou uma excelente tese, mostrou que dominava os assuntos e defendendo-os de forma informada e muito capaz.

Membros do Juri e Doutorado: João Pais, Octávio Mateus, Emanuel Tschopp, Maria Paula Diogo, Paul Upchurch, Fidel Fernández-Baldor, Rogério Rocha


Resumo:
 Os Diplodocidae estão entre os dinossauros saurópodes mais conhecidos. Várias espécies foram descritas no final do século XIX ou início de XX. Desde então, numerosos outros  espécimes foram recuperados nos EUA, Tanzânia, Portugal, bem como, possivelmente de Espanha, Inglaterra e Ásia. Até à data, o clado inclui 12 a 15 espécies diferentes, algumas delas com estatuto taxonómico questionável como, por exemplo, 'Diplodocus' hayi ou Dyslocosaurus polyonychius.
No entanto, as relações intragenéricas de géneros multi-específicos e icónicos como Apatosaurus e Diplodocus ainda são pouco conhecidos. A maneira de resolver este desafio é uma análise filogenética baseada em espécimes, o que foi feito para Apatosaurus, mas aqui é realizada pela primeira vez para todo o clado Diplodocidae. Novo material de diferentes localidades e níveis estratigráficos (em Howe Ranch, Shell, Wyoming, EUA) aumenta o conhecimento sobre a evolução dos Diplodocidae. Três novos espécimes são aqui descritos, aumentando consideravelmente o nosso conhecimento da anatomia do grupo.

Os novos espécimes (SMA 0004, SMA 0011 e SMA 0087) representam duas, possivelmente três novas espécies de diplodocídeos, e compreendem material ósseo de todas as partes do esqueleto, incluindo dois crânios quase completos, bem como membros anteriores e posteriores bastante completos, o que é geralmente raro em diplodocídeos. Desta forma, os espécimes permitem um aumento considerável da sobreposição anatómica entre holótipos que amiúde são incompletos, o que permite obter resultados significativos nesta análise filogenética com base em espécimes. Além disso, são identificados os ossos clavícula e interclavícula, sendo este último aqui reportado pela primeira vez em dinossauros. A sua presença parece restrita aos primeiros saurópodes, Flagellicaudata e Macronaria basais, e pode por isso ser um caso de retenção de plesiomorfia, com a perda destes ossos como sinapomorfia dos Titanosauriformes e possivelmente Rebbachisauridae. Os novos espécimes permitem testar anteriores hipóteses filogenéticas dos diplodocídeos. Com esse objectivo, todos os espécimes-tipo previamente propostos como diplodocídeos foram incluído no estudo, assim como outros espécimes relativamente completos de forma a aumentar a sobreposição anatómica entre eles. Espécimes ulteriormente sugeridos como saurópodes não-diplodocídeos, foram incluídos como grupos externos. A análise filogenética resultante inclui, assim, 76 unidades taxonómicas operacionais, 45 das quais pertencem a Diplodocidae.

Cada espécime foi codificado para 477 caracteres morfológicos, o que representa uma das mais extensas análises filogenéticas de dinossauros saurópodes. O cladograma resultante recupera o arranjo clássico das relações filogenéticas dos diplodocídeos. Foi realizada uma abordagem numérica para reduzir a subjetividade na decisão de separação específica ou genérica, para as espécies que historicamente têm sido incluídas em géneros conhecidos, como Apatosaurus ou Diplodocus, tendo algumas resultado serem genericamente diferente. Desse modo, o famoso género Brontosaurus é ressuscitado, e as evidências sugerem, ainda que também Elosaurus parvus (anteriormente designados Apatosaurus) ou 'Diplodocus' hayi representam géneros únicos. O estudo aumenta o conhecimento sobre a variação individual, e ajuda a decidir como classificar géneros multi-específicos. Este tipo de análise filogenética baseada em espécimes provou ser uma ferramenta valiosa para validar espécies históricas em saurópodes, e na paleontologia como um todo.

Palavras-chave: Dinossauros saurópodes, Diplodocidae , filogenia baseada em espécimes, Formação Morrison, Howe Quarry, Kaatedocus, espécie, taxonomia.

Constituição do Júri: 
Presidente
•  Doutora Maria Paula Pires dos Santos Diogo, Professora Catedrática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa
Vogais• Doutor Rogério Eduardo Bordalo da Rocha, Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa;
•  Doutor João José Cardoso Pais, Professor Catedrático Aposentado da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa;
•  Doutor Louis L. Jacobs, Full Professor “Southern Methodist University (SMU) - USA;
•  Doutor Paul Upchurch, Reader in Palaeobioligy “University College of London – UK”;
•  Doutor Fidel Torcida Fernández-Baldor, Researcher, Director, “Museo de Dinosaurios” – Burgos, Espanha;
•  Doutor Octávio João Madeira Mateus, Professor Auxiliar da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Parabéns Emanuel!

quinta-feira, Fevereiro 13, 2014

NOVA entre as 50 melhores universidades do mundo com menos de 50 anos



A Universidade NOVA de Lisboa integra o grupo das 50 melhores universidades do mundo com menos de 50 anos, segundo avaliação  publicada pelo QS Top 50 Under 50 2013-14 (www.topuniversities.com), sendo a única universidade portuguesa a figurar nesta selecção. 
São quatro indicadores mais importantes: prestígio interpares, reputação junto das entidades empregadoras, número de citações obtidos pelas publicações científicas e, finalmente, internacionalização do corpo docente e dos estudantes.  


Mais uma razão para trabalharmos para ter um Mestrado em Paleontologia de qualidade!


Fontes: links op. cit.

terça-feira, Fevereiro 11, 2014

Ilustração Científica de Fósseis de Angola



Joana Bruno
Realizaram-se no passado dia 28 de Janeiro as provas públicas para obtenção do grau de Mestre em Ilustração Científica da estudante Joana Bruno, enquadradas nas actividades do Projecto PaleoAngola. O trabalho final de mestrado, intitulado «Vertebrados fósseis do Cretácico e Cenozóico de Angola: a comunicação e divulgação de Ciência através da Ilustração Científica», orientado por mim e pelo Mestre Pedro Salgado, foi dedicado à ilustração e reconstrução de espécies extintas de Angola e foi apoiado por uma das bolsas de mestrado da ANICT. A discussão da tese foi um sucesso, e a candidata, agora Mestre em Ilustração Científica, foi aprovada com 20 valores, vendo o seu trabalho reconhecido mais uma vez perante uma sala cheia. A dissertação foi ainda destacada pelas abordagens inovadoras que contempla, pelo rigor das ilustrações e pela clareza e objectividade da escrita.

A Joana começou o seu percurso pela Ilustração Científica ainda enquanto estudante de Arqueologia na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Contudo, a dedicação a tempo inteiro à ilustração só chegaria em 2011, com a frequência do curso do IAO sob a orientação do Mestre Pedro Salgado e posterior ingresso no Mestrado em Ilustração Científica do ISEC/UE. O seu trabalho tem sido igualmente reconhecido em Portugal e no estrangeiro. Foi premiada pela Casa das Ciências em 2013 e conta já com várias exposições em território nacional e estrangeiro. Poderá destacar-se a sua participação na XIII edição da bienal Focus on Nature, em Nova Iorque, exposição para a qual foi seleccionada entre cerca de 200 artistas que concorreram de todo o Mundo. Actualmente, além de trabalhar como ilustradora científica, a Joana é também formadora de ilustração na ETIC e editora executiva do Journal of Natural Science Illustration.

Video Reconstructing extinct organisms: fossil turtles from Angola (http://youtu.be/Reog3rnIQQ8)
Parabéns Joana Bruno!

Dinossauros saurópodes em doutoramento de Emanuel Tschopp (FCT-UNL)

Decorrem na próxima sexta-feira, dia 14 de Fevereiro, pelas 15:30, as provas de Doutoramento em Geologia do candidato Emanuel Tschopp sobre a evolução de dinossauros saurópodes. Tschopp irá apresentar a sua dissertação intitulada "The evolution of diplodocid sauropod dinosaurs, with emphasis on specimens from Howe Ranch (Wyoming, USA)" [A evolução dos dinossauros saurópodes diplodocídeos, com ênfase em espécimes de Howe Ranch (Wyoming, EUA)], realizada sob a orientação do Prof. Octávio Mateus (FCT-UNL).
 As provas decorrerão na Sala de Actos (Ed. IV) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Na imagem vê-se a reconstrução artística do dinossauro Kaatedocus siberi Tschopp e Mateus 2012, espécie descrita como nova, no resultado dos estudos de doutoramento, e aqui representada pelo artista Davide Bonadonna.


sábado, Janeiro 25, 2014

Ainda sobre as bolsas FCT em Geociências

Bolsas de Doutoramento e Pós-Doutoramento em Geociências, por Universidade, em 2012 e 2013 (ver texto)

Não é conhecido publicamente para onde vai cada uma das bolsas de doutoramento e pós-doutoramento atribuídas cada ano nas candidaturas individuais, mas uma busca na internet permite compreender qual a candidatura mais provável para cada candidato tendo em conta o seu currículo e formação anterior. Os gráficos mostram uma distribuição equilibrada em 2012 e uma concentração numa instituição em 2013, como resultado da estratégia escolhida pelo actual governo na distribuição de bolsas. Ainda está por explicar como é que esta situação vem melhorar a qualidade da investigação em Geociências em Portugal.

Dados das bolsas individuais em Geociências em 2012 e 2013:
2012: 59 candidaturas, 16 bolsas aprovadas; 27% de aprovação; para 8 universidades 
2013: 41 candidaturas ; 5 bolsas aprovadas*; 12% de aprovação; para 2 universidades

*: a este número acrescem 8 bolsas do Programa Doutoral.
Total em 2013: 13 bolsas em Geociências, o que é um decréscimo quase 20% (três bolsas) de 2012 para 2013.

Outras estatísticas interessantes:
34º lugar: Paleontologia em Portugal no ranking mundial: (Fonte: scimagojr)
34º lugar: Geociências em Portugal no ranking mundial: (Fonte: scimagojr)
33º lugar: Ciência em Portugal no ranking mundial: (Fonte: scimagojr)
43º lugar: Portugal em ranking de Desenvolvimento Humano: (Fonte: ONU)
Posição de Portugal em índices de qualidade e satisfação nos seus representantes eleitos: desconhecido

sexta-feira, Janeiro 24, 2014

Sobre as bolsas FCT em Geociências

O recente concurso a bolsas de Doutoramento e Pós-Doutoramento da FCT tem sido alvo de muitas críticas. 
A área das Geociências recebeu 41 candidaturas, só sendo admitidas cinco bolsas o que parece algo manifestamente insuficiente para uma área científica como esta.

O processo da atribuição das bolsas nas Geociências é também agora alvo de notícias, que a TSF avançou hoje:
"Na área das Geociências, um dos avaliadores demitiu-se (no fim de novembro) a meio do processo, já depois de várias reuniões entre os membros do júri. À TSF, Rui Pena dos Reis, professor catedrático do Departamento de Ciências da Terra de Coimbra, explica que o coordenador, com o acordo da FCT, alterou, a meio do jogo, alguns critérios de avaliação definidos de início e que orientaram os candidatos. Do outro lado, o coordenador do painel de avaliação da área das Geociências, Fernando Ornelas, nega qualquer irregularidade e garante apenas cumprir as regras do FCT." (TSF, 24.1.2014)

O júri para o painel de Geociências foi assim composto por:
Fernando Manuel Ornelas Guerreiro Marques (coordenador; da Univ. Lisboa)
Ana Paula Ribeiro Ramos Pereira (Univ. Lisboa)
Fernando Monteiro Santos (Univ. Lisboa)  
Alfredo Rocha (Univ. Aveiro)
Ana Maria Guedes Almeida e Silva (Univ. Évora)
Fátima Abrantes (LNEG)
Fernando Manuel Pereira de Noronha (Univ. Porto)

Seria bom que houvesse mais transparência para sabermos para onde segue cada bolsa atribuída. A julgar pelos currículos online dos candidatos, quatro bolsas das cinco atribuídas parecem ser candidatos da mesma universidade, assim como nove dos onze primeiros classificados.

Parece haver, por isso, uma disparidade que merece ser assinalada, sobretudo porque a instituição mais beneficiada é a mesma do coordenador e de três dos sete membros do painel de avaliação em Geociências. Não está em causa a integridade de júri, mas como diz o provérbio, "À mulher de César não basta sê-lo. Tem de parecê-lo!" e teria sido bom que a distribuição fosse mais nacional e sem favorecer a instituição mais representada no júri.
Esta mesmo universidade já tem um programa doutoral da qual irá beneficiar de 32 bolsas de doutoramento (distribuídas por 4 anos). O resultado final faz com que uma única universidade receba todas as bolsas em Geociências, excepto uma. Esta estratégia parece desadequada numa área científica com um forte cariz local, e que vem marcar uma tendência de favorecer o gigantismo das universidades e dificultar as demais.

Ver também o post seguinte Ainda sobre as bolsas fct em geociências

O concurso tem critérios alegadamente muito objectivos e determinados de forma matemática. Os orientadores também são classificados pelo seu CV. No meu caso pessoal, a minha classificação era diferente para dois candidatos distintos, o que mostra que há espaço para a subjectividade.

Sobre o desinvestimento na Ciência
O Ministro da Educação e Ciência apenas continua a afirmar que não há desinvestimento na Ciência, mas Portugal ainda está bem abaixo da média europeia no investimento em I&D por percentagem do PIB: 1,5%  contra 2,07% da média europeia.

Investimento em I&D por percentagem do PIB. Média europeia: 2,07% ; Portugal: 1,5% do PIB. Fonte: Eurostat Pordata.
    Para dificultar ainda mais, recentemente, um ministro veio a público manifestar-se contra as bolsas científicas longe da vida real. Nós, cientistas, também estamos contra os políticos que estão longe da vida real. A investigação fundamental ("longe da vida real") é a mesma que permite os grandes passos científicos, e Portugal não se pode dar ao luxo de não apostar na investigação científica e educação dos Portugueses.

segunda-feira, Dezembro 23, 2013

Santa Claws wishes...


sábado, Dezembro 14, 2013

Walking with Dinosaurs 3D

Hoje estreou o filme a três dimensões Walking with Dinosaurs 3D, traduzida em Português para "O Tempo dos Dinossauros - O filme 3D". Este filme é uma sequência do enorme sucesso da série Walking with Dinosaurs, da qual resultaram séries, documentários, livros, exposições e até performances realistas. Parte de um dos documentários da série de 1999 e 2000 foi filmada em Portugal.




Este filme tem a espectacularidade dos filmes da BBC, sendo a personagem principal um pequeno Pachyrhinosaurus que cresce e se torna um macho dominante na manada, salvando-a. A estória que se passa no Alaska inclui igualmente os Gorgosaurus, Ankylosaurus, Alexornis, Alphadon entre outros, o que permite localizar temporalmente aos 70 Milhões de anos. O filme teve o conselho científico de Philip Currie, Tony Fiorillo, entre outros.

As personagem falam e têm emoções humanas. Inicialmente os produtores pretendiam mostrar apenas o desenrolar dos acontecimentos, sem os dinossauros a falarem, mas testes com audiência real parecem ter mostrado que a versão dos dinossauros falantes era comercialmente mais bem sucedida.

As imagens espectaculares e realistas das animações computorizadas são de excelente qualidade, o que contrasta com toda a estória que é um enorme lugar-comum, já visto em numerosos outros filmes do mesmo tipo.
Na versão portuguesa dobrada o texto era vulgar, frequentemente estava a mais, e tentava replicar a linguagem juvenil por vezes desajustada, apesar de enquadrada numa estória moralista "politicamente correcta".

Quando a BBC filmou os dinossauros de Portugal- Walking with Dinosaurs: Ballad of Big Al

Estreou hoje o filme Walking with Dinosaurs - Film 3D mas em 2000 participámos no filme documentário da BBC "Walking with Dinosaurs", no episódio "Ballad of Big Al" devido à descoberta de ovos e embriões de Lourinhanosaurus em Paimogo, Lourinhã, que são comparados com o Allosaurus.
A série esteve classificada como um dos 100 Greatest British Television Programmes e agora, em 2013, aparece em filme 3D.

Este é o link do Youtube para o excerto: http://youtu.be/cubdagTiRHE

quarta-feira, Dezembro 04, 2013

Hwaseong Dinosaur Symposium

Começa hoje o Hwaseong International Dinosaur Expedition Symposium, na cidade Hwaseong, na Coreia do Sul, com a nossa participação em resultado da participação nas expedições na Mongólia.
Tarbosaurus and Tarchia

O programa é o seguinte:


Special Session Ⅰ : Dinosaurs and MusemsGrand Ballroom
Dr. Yuong-Nam Lee(Introduction of the Hwaseong symposium and guests)
Dr. Richen Barsbold(On some genera of the Mongolian dinosaurs)
Prof. Philip Currie
(Articulated tyrannosaurid (Dinosauria) skeletons from the Nemegt Formation of Mongolia)
Prof. Louis Jacobs (African dinosaurs and museums)
15:00~15:10Coffee Break
(Moderator: Prof. Yoshitugu Kobayashi)
2F Foyer
15:10~15:30Dr. Anthony Fiorillo 
(A paleontologist’s perspective on the new Perot Museum of
Nature and Science, Dallas, Texas, U.S.A.: connecting research
with exhibit development and design)
Grand Ballroom
15:30~15:50Prof. Yoshitsugu Kobayashi 
(Japanese dinosaurs and Hokkaido University Museum)
15:50~16:10Prof. Junchang Lu
(Recent advances on the study of pterosaurs from China)
16:10~16:20Coffee Break2F Foyer
16:20~16:40Dr. Paulina Carabajal 
(Argentinian dinosaurs and “Carmen Funes” museum: a “brainy”
point of view)
Grand Ballroom
16:40~17:00Dr. Octavio Mateus
(Crocodylomorphs from the Mesozoic of Portugal and a new skull
of eusuchian from the Late Cretaceous)

09:20~10:30Special Session Ⅱ : Mongolian Expedition
(Moderator: Dr. Yuong-Nam Lee)
Grand Ballroom
09:20~09:40Dr. Mike Norell(20 years of Ukhaa Tolgod)
09:40~10:00Dr. Shinobu Ishigaki
(History and major discoveries of Hayashibara Museum of Natural
Sciences-Mongolian Paleontological Center Joint Paleontological
Expedition)
10:00~10:20YN Lee (Korea-Mongolia International Dinosaur Expedition)
10:20~10:30Coffee Break2F Foyer
10:30~12:00Scientific SessionⅠ : Dinosaurs
(Moderator: Dr. Michael Ryan)
Grand Ballroom
10:30~10:45Dr. Khishigjaw Tsogtbaatar
(New hadrosauroid from the Djadokhta Formation in Mongolia)
10:45~11:00Dr. Michael Ryan
(New data on the “Dragon’s Tomb” Saurolophus bonebed, Nemegt Formation (Late Cretaceous), Mongolia)
11:00~11:15Dr. Derek Larson
(Disparity of small theropod teeth through space and time in the Late retaceous of western North America)
11:15~11:30Dr. Victoria Arbour
(A review of the ankylosaurid dinosaurs from the Late Cretaceous Djadokhta, Baruungoyot, and Nemegt formations of Mongolia)
11:30~11:45Dr. Hang-jae Lee
(Theropod trackways occurred with ornithomimid skeletons from the Nemegt Formation (Maastrichtian) at Bugiin Tsav, Mongolia)
11:45~13:15LunchBlue Shppire
13:15~14:45Scientific SessionⅡ : Paleoenvironment
(Moderator: Prof. Namsoo Kim)
Grand Ballroom
13:15~13:30Dr. David Eberth
(Stratigraphy of the Baruungoyot-Nemegt succession (Upper Cretaceous) in the Nemegt Basin, southern Mongolia)
13:30~13:45Dr. Dale Winkler
(An unusual vertebrate assemblage at Ulan Khushu, Nemegt
Formation (Late Cretaceous), Mongolia)
13:45~14:00Dr. Eva Koppelhus
(Palynomorphs from a footprint site in the Nemegt Formation
(Maastrichtian) at Bugiin Tsav, Mongolia)
14:00~14:15Prof. Namsoo Kim
(Sedimentary faceis associations of the Upper Cretaceous deposits
in Gobi Desert, Mongolia)
14:15~14:30Dr. John Graf
(Diagenetic history of Khermeen Tsav based on the isotopic record
of dinosaur eggshell and pedogenic carbonates)
14:30~14:45Coffee Break2F Foyer
14:45~18:00Scientific SessionⅢ : Dinosaurs and others
(Moderator: Dr. Michael Polcyn)
Grand Ballroom
14:45~15:00Prof. Thomas Adams
(Small crocodyliforms from the Lower Cretaceous (Late Aptian-Early
Albian) of north-central Texas and their phylogenetic relationships
to the Late Cretaceous Asian Paralligatoridae)
15:00~15:15Prof. Martin Kundrat
(X-ray synchrotron microtomography: applications in dinosaur
paleobiology)
15:15~15:30Prof. Bonnie Jacobs (Flowering plant origins in Asia)
15:30~15:45Dr. Scott Persons (The evolution, function, and possible sexual dimorphism of
oviraptorosaur tails)
15:45~16:00Coffee Break
16:00~16:15Dr. Robin Sissons
(Hesperornithid tibiotarsus from Khermeen Tsav (Nemegt
Formation), Mongolia)
16:15~16:30Dr. Phillip Bell
(The smallest-known Tarbosaurus: implications for tyrannosaur
ecology in the Nemegt Formation, Mongolia)
16:30~16:45Dr. Michael Polcyn
(Taxon inclusion in phylogenetic analyses of Mongolian
anguimorph squamates)

.